Bioimpressão 3D: saiba mais sobre essa tecnologia

 In Artigos

Já pensou como seria o mundo sem a descoberta da impressão? Mesmo com os avanços tecnológicos, a impressão ainda é fundamental em diversos aspectos do nosso dia-a-dia. A impressão 2D foi descoberta por “Johann Gutenberg no século XV”, entretanto, não é sobre a impressão 2D que falaremos nesse artigo, e sim sobre a bioimpressão 3D.

As impressoras 3D tiveram seu início no ano de 1984 através de seu criador Charles Hull. A tecnologia de impressão 3D ganhou destaque na indústria por contribuir para a produção de materiais não biológicos em diversos setores, como automobilístico, aviação, odontológico, moda, saúde, entre outros.

O sucesso da impressão 3D no setor da saúde possibilitou a idealização de impressão de materiais biológicos, o que passou a ser chamado “Bioimpressão 3D”. Essa é uma técnica digna de um enredo de Hollywood em termos de revolução científica e promete acabar com as filas de transplantes de órgãos.

Mas o que é a bioimpressão 3D?

A bioimpressão 3D é a utilização de técnicas semelhantes à impressão 3D convencionais, mas que possui a finalidade de integrar células, fatores de crescimento e/ou biomateriais. Esse processo permite a fabricação de peças biomédicas que possuem o objetivo de imitar as características naturais de um determinado tecido ou órgão.

A grande vantagem desse tipo de tecnologia é a possibilidade de sanar falhas das tecnologias mais antigas que não conseguem produzir tecidos totalmente funcionais. Além disso, a bioimpressão 3D é vista como uma técnica promissora pela sua alta precisão na reconstrução de tecidos e órgãos, controle de posicionamento da peça em produção e produção em larga escala, o que poderia desafogar as filas para transplantes, por exemplo.

A técnica de impressão 3D pode favorecer também o setor farmacêutico, com a produção de modelos experimentais in vitro a partir de células animais para o estudo e formulação de fármacos. Outro setor que pode ser impactado positivamente pela técnica é o setor alimentício, por meio da produção de carnes sem a necessidade animal.

Como é realizada a bioimpressão 3D de órgão e tecidos?

Há diversas técnicas de bioimpressão, como a bioimpressão por microextrusão, a jato de biotinta, assistida por laser (LAB) ou baseada em estereolitografia.

Apesar de haver diferenças entre cada técnica, existe um componente-chave entre elas: a biotinta (bioink). A biotinta é composta de células e outros materiais bioativos (como fatores de crescimento), e pode ser comparada à tinta de uma impressora convencional. O desenvolvimento da biotinta ainda é um desafio para os pesquisadores, pois deve atender a requisitos do material biológico, como proliferação, diferenciação, migração e maturação celular. Dentre as possibilidades disponíveis, os hidrogéis são os materiais mais utilizados para o desenvolvimento dessas biotintas, especialmente pela sua biocompatibilidade e baixa toxicidade. Estes hidrogéis funcionam como um suporte para as células-tronco, propiciando o seu crescimento e diferenciação.

O processo de bioimpressão começa pela modelagem do tecido ou órgão alvo a partir do imageamento computadorizado do tecido do paciente. Com esse referencial, é feita a construção de um modelo 3D em um software. Esse modelo possui todas as informações estruturais necessárias para a impressão. A partir disso, começa o processo, onde o órgão ou tecido é construído camada a camada por meio do crescimento e diferenciação das células-tronco presentes no hidrogel.

A bioimpressão 3D ainda está em desenvolvimento!

A tecnologia de bioimpressão 3D para uso em transplantes ainda está em desenvolvimento. Estudos científicos estão sendo realizados e, ao que tudo indica, o processo se encontra em fase intermediária, em que há a criação de tecidos, mas ainda sem a efetividade de um órgão funcional.

Um dos principais desafios para que a técnica seja efetiva é a criação de uma rede vascular nesse tecido ou órgão. Por isso, quanto menos complexo o órgão, mas fácil é sua execução em uma impressora 3D. Ainda não é possível realizar a bioimpressão de um coração funcional, por exemplo, mas tecidos como a pele, cartilagens, artérias e veias podem ser reproduzidos por meio desta técnica. Existem exemplos de avanços na criação de tecidos cartilaginosos, como a orelha. Nesse caso, a cartilagem impressa foi utilizada para a reconstrução em pacientes com malformação congênita do ouvido externo, obtendo resultados estéticos significativos.

Na indústria farmacêutica, o principal interesse em utilizar a bioimpressão 3D, relaciona-se com a triagem de fármacos e sua toxicidade. Sabe-se que modelos tradicionais in vitro, produzem poucas respostas ao que ocorre de fato em um organismo vivo e funcional, devido à complexidade do ser humano. Nesse sentido, a bioimpressão de estruturas que captem interações célula-célula e célula-matriz, como em mini órgãos, pode ser um caminho promissor para a farmacologia.

Cada vez mais a ciência se aproxima de descobertas que pareciam acontecer somente em nossa imaginação ou em um filme de ficção cientifica. A bioimpressão 3D é um desses casos. Com o avanço da tecnologia de Engenharia e Biologia, no futuro será possível a impressão de órgãos transplantáveis em alta escala e com grau de funcionalidade adequado.

O Brasil é pioneiro neste tipo de tecnologia e hoje, existem grupos de pesquisa em universidades brasileiras e startups dedicando exaustivos esforços para tornar cada vez mais viável a bioimpressão de órgãos e tecidos. Fantástico, não é mesmo?!

A In Situ Terapia Celular assume o compromisso de trazer informações relevantes e de qualidade para você, sempre baseado em ciência e com fontes de pesquisa confiáveis. Somos especializadas e pioneiras no desenvolvimento de biocurativos com células-tronco para o tratamento de feridas crônicas e queimaduras graves.

Referências:

Dey, M., Ozbolat, I.T. (2020). 3D bioprinting of cells, tissues and organs. Sci Rep. de Melo, B. A., Cruz, E. M., Ribeiro, T. N., Mundim, M. V., & Porcionatto, M. A. (2021). 3D Bioprinting of Murine Cortical Astrocytes for Engineering Neural-Like Tissue. Journal of Visualized Experiments: Jove.

Ramadan Q, Zourob M. (2021). 3D Bioprinting at the Frontier of Regenerative Medicine, Pharmaceutical, and Food Industries. Front Med Technol.

In Situ
Somos uma startup de base tecnológica da área da saúde, que visa oferecer como produto a terapia celular individualizada para tratamento de pacientes portadores de úlceras crônicas e queimaduras graves. Nosso principal objetivo é melhorar a qualidade de vida de nossos pacientes.
Recommended Posts
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text.